Como fica o emocional de uma pessoa com câncer?

O diagnóstico de câncer, os sintomas associados e o tratamento podem ter um impacto emocional significativo nas pessoas e em suas famílias.

Como resultado, pode ocorrer o medo, o isolamento, a perda da autoestima e a perda da independência. Em alguns casos, as pessoas com câncer desenvolvem quadros de depressão e ansiedade.

Mas é preciso deixar claro que tais sentimentos são reais — em geral fruto de alterações também em seu organismo por conta do tratamento. E como trata-se de uma doença, deve ser tratada.

No artigo abaixo falo mais sobre o emocional de uma pessoa com câncer, e como deve ser conduzido o tratamento.

Causas da depressão

Vários fatores podem causar depressão. O impacto do diagnóstico de câncer é suficiente para desencadear a doença depressiva em algumas pessoas.

Outros eventos da vida, como morte na família, problemas de relacionamento, ter um filho ou perder o emprego, podem dar início a uma doença depressiva em uma pessoa com câncer.

Ela também pode estar ligada a um desequilíbrio químico no cérebro. Isso geralmente envolve uma queda no nível de substâncias químicas chamadas neurotransmissores.

Os neurotransmissores levam mensagens do cérebro para as células nervosas. Os mais comuns envolvidos na depressão são serotonina, norepinefrina e dopamina.

Esse desequilíbrio químico pode ser desencadeado por um evento físico ou emocional (psicológico) em sua vida. 

Às vezes é difícil saber se foi um ou outro. Frequentemente, os dois tipos podem desempenhar um papel.

A ligação entre a serotonina e a depressão

A serotonina é amplamente conhecida como uma das “substâncias químicas da felicidade” do cérebro, porque parece ser capaz de influenciar o humor. 

Altos níveis de serotonina no cérebro estão ligados a um humor elevado e à sensação de felicidade, enquanto os baixos níveis de serotonina estão ligados aos sintomas de depressão, incluindo tristeza, aborrecimento e, geralmente, baixo humor. 

Um desequilíbrio dos níveis de serotonina no cérebro também tem sido associado a outras condições, como transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), ansiedade, ataques de pânico e problemas de controle da raiva.

No entanto, embora haja certamente uma conexão entre a serotonina e a depressão, a direção dessa relação não é clara em termos de se um baixo nível de serotonina causa depressão ou se a depressão causa um baixo nível de serotonina.

Como aumentar a serotonina no corpo?

O primeiro caminho para aumentar a serotonina no corpo é por vias naturais. Esses incluem:

  • Meditação: a meditação é conhecida por aliviar o estresse, ajudá-lo a relaxar e promover uma perspectiva positiva, o que pode aumentar os níveis de serotonina no cérebro
  • Tome um pouco de ar fresco e luz solar: os efeitos positivos da luz no seu humor e bem-estar não podem ser subestimados. O simples fato de sair para tomar ar fresco e tomar sol (mesmo quando está frio) pode melhorar muito o seu humor e os níveis de serotonina
  • Exercício: o exercício é amplamente considerado um dos melhores antidepressivos naturais. Mesmo uma pequena quantidade de exercício por dia pode ajudar a melhorar o seu humor e aumentar o funcionamento da serotonina no cérebro. Se você for capaz de se exercitar ao ar livre, sob a luz do sol, por exemplo, caminhando, isso será ainda mais benéfico
  • Dieta: comer alimentos que contenham o aminoácido ‘triptofano’ pode ajudar seu corpo a produzir mais serotonina e melhorar o humor. Esses alimentos podem incluir ovos, espinafre e salmão

Disbiose intestinal

Outro fator que influencia o emocional de uma pessoa com câncer é a disbiose intestinal. É conhecido o eixo intestino-cérebro, na qual a microbiota intestinal tem um papel fundamental na produção de serotonina.

No caso de pacientes oncológicos com doença metastáticas, eles passam por uma série de agressões na microbiota ao longo do tratamento, fruto do uso de medicamentos.

Mas como efeito adverso, ocorre a diarreia ou constipação, que ocasiona a disbiose intestinal e afeta a produção de serotonina.

Aqui, novamente uma alimentação com acompanhamento de uma equipe multidisciplinar tem papel fundamental. Afinal, será feito um planejamento nutricional como forma de melhorar o sistema intestinal do paciente.

Busque ajuda

Enfim, meu objetivo com este artigo era deixar claro que o lado emocional de uma pessoa com câncer é afetado tanto pelo lado físico da doença em si, como também pelo lado bioquímico do corpo, que sofre com alterações.

E isso impacta diretamente na produção de neurotransmissores essenciais para nos sentirmos bem e felizes. E como resultado dessa baixa produção, surgem a depressão e outras doenças de ordem emocional.

É importante que a pessoa com câncer que sentir-se deprimida deve informar ao seu médico, para que o tratamento medicamento precoce seja iniciado, reduzindo consideravelmente os sintomas e dando à pessoa uma melhor qualidade de vida.

Por isso, se você sofre com câncer ou tem algum familiar com esta condição, fique atento aos sinais de depressão. Ela é uma doença real, e que deve ser tratada com o apoio de uma equipe multidisciplinar.

Espero que o artigo sobre o lado emocional de uma pessoa com câncer tenha sido útil. E me siga também em minhas redes sociais para mais dicas e muita informação!

Até a próxima,

Dra. Ana Baccarin.

Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?